Saneamento e Raça/Cor

Constatou-se que a redução do percentual de domicílios sem canalização interna, entre os anos de 2000 e 2010, foi maior entre os pretos e pardos – cerca de 2,4% ao ano – sendo o grupo de indígenas o que apresentou a menor redução neste mesmo período: 1% ao ano. Não houve redução significativa na destinação inapropriada dos esgotos. Já entre os domicílios com destinação inadequada dos resíduos sólidos, entre 2000 e 2010, verifica-se um declínio maior dessa condição entre as chefias de brancos (Tabela 4.4).

Tabela 4.4 Déficit em saneamento para domicílios rurais segundo a cor da pele e etnia dos moradores (2000 e 2010)

 Sem canalização interna de águaCom esgotos destinados a fossa rudimentar, vala, rio, lago e marCom resíduos sólidos queimados e dispostos em locais inadequados
2000
Branca35%77%76%
Preta ou parda69%84%86%
Indígena82%89%83%
2010
Renda inferior a 1 s.m.21% (-14%)74% (-3%)59% (-17%)
Preta ou parda45% (-24%)84% (Sem alteração)76% (-10%)
Indígena72% (-10%)87% (-2%)87% (+4%)
Fonte: IBGE 2001 e 2011 - Censos Demográficos de 2000 e 2010.

A água como influenciadora da cultura

O modo de produzir a vida nos territórios rurais é afetado pela disponibilidade da água. Na falta de condições adequadas, atividades tradicionais e diretamente relacionadas com a cultura, como a agricultura familiar, o extrativismo e a pesca, podem ser prejudicadas, promovendo a mudança para atividades informais, o contato com diferentes realidades e a mudança ou desintegração da cultura em sua essência.

Muitas etnias indígenas mostram grande respeito pelas águas em sua cultura, interpretando a disponibilidade hídrica como bênção divina. Diversas comunidades rurais sofrem com a intermitência e a má qualidade da água.