Mata Atlântica

A Mata Atlântica concentra a maior parcela de domicílios rurais, 556.930 em 2010, sendo, portanto, o bioma mais populoso. Abrange quinze Estados, em grande parte do litoral leste, e apresenta clima quente e úmido e relevo variando de planaltos e planícies a montanhas e vales. É o bioma brasileiro mais descaracterizado, com parte de sua biodiversidade ameaçada de extinção, devido sobretudo à expansão urbana. A floresta atua como mecanismo regulador do clima, sendo importante na proteção de encostas, e seus ecossistemas favorecem a fertilidade e proteção do solo. A agricultura familiar é praticada por muitas comunidades rurais, mas, em virtude do potencial econômico e turístico, a prestação de serviços tem se destacado como importante fonte de renda das famílias. O uso de agrotóxicos é comum e o incorreto condicionamento dos produtos e embalagens é preocupante devido ao risco de contaminação do ambiente.

A captação de água varia entre o uso de mananciais superficiais e subterrâneos, sendo as nascentes preferidas por sua melhor qualidade. Muitas vezes a água é consumida sem tratamento. A disponibilidade hídrica característica do bioma permite a adoção de descarga hídrica em muitas regiões.

O desmatamento, que contribuiu para a remoção de grande parte da cobertura vegetal original do bioma, gera problemas relacionados à lavagem de solos férteis e desmoronamentos em épocas chuvosas, obrigando os moradores de diversas comunidades a buscarem soluções improvisadas para proteger suas plantações e habitações. A falta de vias pavimentadas, em muitos locais, somada ao escoamento acelerado pela falta de vegetação, gera alagamentos que impossibilitam o acesso a escolas, locais de trabalho e serviços de saúde.

Print  CSV  Excel  
Print  CSV  Excel  
Print  CSV  Excel  
Print  CSV  Excel  

O abastecimento de água em quase metade dos domicílios situados na região de Mata Atlântica é caracterizado pelo uso de poços ou nascentes dentro das propriedades. A maior proximidade das comunidades com a urbanização desencadeia mudanças no saneamento rural, como a presença de canalização de água em pelo menos um cômodo, que é uma realidade em quase todas as residências. Em relação ao esgotamento sanitário, as fossas rudimentares também são maioria, abrangendo cerca de 60% do total de domicílios. A destinação dos resíduos sólidos difere dos demais biomas: a queima ainda é a solução mais comum, mas, em menor proporção, sendo a coleta direta mais evidenciada.